TOMAR

No século I a.C, nas atuais terras tomarenses, foi fundada a Nabância, povoação atravessada pelo rio Nabanis, situada nas redondezas da urbe proeminente que o imperador Augusto fundaria no século seguinte e apelidaria de Sellium. Esta última integrava a rede viária romana que unia Olisipo (Lisboa) a Bracara Augusta (Braga) e a Emerita (Mérida), bem como a rota comercial vinícola que incluía províncias mediterrânicas.
A cidade foi abandonada na segunda metade do século V e repovoada a partir do século XII, altura em que D. Afonso Henriques conquistou a região aos mouros (1147) e a doou por carta régia à Ordem do Templo (1159). Em 1160, o mestre templário D. Gualdim Pais iniciava a construção do Castelo de Tomar.

O plano da cidade medieval organiza-se em cruz com os 4 braços apontando os 4 pontos cardeais marcados pelos 4 conventos da cidade. O centro, onde se situam a Câmara Municipal e a Igreja Matriz, é a Praça da República, a partir da qual irradiam os principais edifícios públicos e religiosos; a sul, a Sinagoga, o antigo Hospital da Misericórdia, o Convento de S. Francisco e o antigo Rossio da Vila; a norte, a sede da Assembleia Municipal, as capelas de S. Gregório e da Senhora da Piedade e o antigo Convento da Anunciada; a oeste, a colina do Castelo, a Ermida da Senhora da Conceição e o Convento de Cristo; a leste, a Ponte, as antigas Moagens e Moinhos da Vila, o Convento de Sta. Iria, a saída para a Igreja de Sra. Maria do Olival e zona escolar da cidade, com o Instituto Politécnico a rematar.
Perseguindo esta geometria simbólica, é interessante constatar que, com centro na igreja manuelina, à Praça da República, se gera a circunferência que une a Charola do Convento (oratório templário) aos Conventos da Anunciada, de Sta. Iria e de S. Francisco.
Eis, assim, o circulo, qual espaço sagrado, dentro da qual se desenvolveu Tomar.
Tomar situa-se a 22km de Torres Novas.

Locais de interesse:
Convento de Cristo –  é o nome pelo qual é geralmente conhecido o conjunto monumental constituído pelo Castelo Templário de Tomar, o convento da Ordem de Cristo da época do Renascimento, a cerca conventual, hoje conhecida por Mata Nacional dos Sete Montes, a Ermida da Imaculada Conceição e o aqueduto conventual conhecido por Aqueduto dos Pegões Altos.
Elementos emblemáticos do monumento: Janela do Capítulo, Charola Templária, Claustro Principal, Porta de Almedina.
Capela de São Gregório
Capela de Santa Iria
Capela de São Lourenço
Igreja de Santa Maria dos Olivais -dedicada a Santa Maria, foi panteão da Ordem do Templo, desde o século XIII. Ali se encontram sepultados alguns Mestres Templários, entre os quais D. Gualdim Pais, fundador da cidade.
Museu dos Fósforos e Convento de S. Francisco
Museu Luso-Hebraico Abraão Zacuto (Sinagoga)
Praça da República – Praça central da cidade onde de encontra a Igreja de S.João Batista, os Paços do Concelho e ao centro a estátua de D.Gualdim Pais, Mestre dos Cavaleiros do Templo.
Anta do Vale da Laje – com mais de 7500 anos, é o monumento funerário megalítico mais antigo a norte do rio Tejo.
Rio Nabão, Jardim e Roda do Mouchão
Barragem de Castelo de Bode – bem no meio da albufeira localiza-se a Ilha do Lombo, um local idílico, onde está inclusivamente situada uma agradável estalagem.

TOP